quinta-feira, 22 de março de 2012

Viagem à África do Sul (Parte 4)

11/10/2008 - Stellenbosch


Após o café da manhã fomos para a vinícola Neethilngshof. Fizemos a visitação e fomos levados para a sala onde teve a degustação. Esta sala tinha pinturas em todas as paredes e as mesas estavam posicionadas lembrando uma escola de aula. Lá degustamos Vergelegen Sauvignon Blanc Reserve, Vergelegen Chardonnay Reserve, Vergelegen Semillon, Vergelegen Mill Race, Vergelegen Shiraz e Vergelegen Cabernet Sauvignon. http://www.neethlingshof.co.za


Depois, no caminho para Zevenwacht visitamos um parque que trabalha com a recuperação de cheethas (ou guepardo). Alguns biólogos defendem a teoria de que, em resultado da procriação consanguínea, o futuro da espécie possa estar comprometido. É considerada uma espécie vulnerável. Existem aproximadamente 12.400 guepardos na África, distribuidos em 25 países, e vivendo em estado selvagem. Consegue atingir velocidades de 115 a 120 km/h, por curtos períodos de cada vez (ao fim de 400 metros de corrida), sendo o mais rápido de todos os animais terrestres. http://pt.wikipedia.org/wiki/Chita_(animal)
Lá compramos tickets para entrar na área das cheethas e, se quiséssemos (pagando mais um pouco), poderíamos acariciá-las. Alguns foram no cercado da cheetha adulta e outros no dos filhotes.
Vimos também avestruzes, impalas, zebras e gnus.
No mesmo local vimos o restaurante indicado pelo John para a nossa janta, um lugar muito legal, bem informal, com tendas, mesas nas árvores (de noite quando voltamos ficamos em uma destas), comidas típicas e show. O show com músicas das tribos sul-africanas circulava por toda a área, passando desta forma por todas as mesas espalhadas no local.


Seguindo o programa do dia, fomos para a vinícola Zevenwacht onde experimentamos bons vinhos, o melhor pinotage da viagem e um grande vinho syrah. Vimos uns estudantes vestidos de bobos da corte pagando o trote de entrada na universidade.
Na degustação provamos Zevenwacht Sauvignon Blanc 2007, Zevenwacht The Tin Mine White 2006, Rosé 2007, Zevenwacht Pinotage 2005, Zevenwacht Syrah 2004 e Zevenwacht Primitivo 2005. http://zevenwacht.co.za/

O almoço, servido a francesa, estava uma delícia...
O John comprou um chip para o celular, pois segundo ele, é mais barato fazer ligações internacionais que para outro celular local. Nosso chip era da MTN
(http://www.mtn.co.za/mtnq1/Pages/mtnq1.aspx)

Depois voltamos para o hotel para preparar as malas (no dia seguinte voltaríamos para a Cidade do Cabo), descansar um pouco e nos arrumarmos para o jantar.
Quando chegamos, na descida do carro, uma colega do nosso grupo não viu o degrau da van  caiu no chão (descobrimos só na volta para Florianópolis que ela tinha trincado um osso do cotovelo).


O jantar foi especial: com apresentação de danças típicas da África, pinturas no rosto e comidas locais. Comemos carne de impala, avestruz, gnu, peixe, galinha D'angola, saladas, sobremesas, cuscus, papu (polenta de milho branco).

12/10/2008 - Franschhoek - Cape Town


Fomos a Hourt bay, lugarzinho simpático com porto de pesca. Lá pegamos um barco e fomos ver leões marinhos. O barco chegou muito perto da pedra onde eles estavam e havia muitos, foi muito legal, tinham alguns brincando na água, levantavam a cauda,  mães com o filhote.
O leão-marinho é um mamífero que vive em regiões de baixas temperaturas e alimenta-se principalmente de peixes (como o cherne e o arenque) e de moluscos.

Os leões-marinhos receberam este nome pois nos machos a pelagem é diferente da das fêmeas: eles têm uma espécie de juba, como os leões. Além disso, como eles têm um rugido grave, acabaram sendo chamados de "leão". São muito parecidos com a foca, dentre as diferenças entre eles as mais visíveis são mais ágeis em terra e possuem orelhas. http://pt.wikipedia.org/wiki/Le%C3%A3o-marinho

video

Depois visitamos uma colônia de pinguins africanos (é o nome da espécie).
O pinguim africano (Spheniscus demersus) é a única espécie africana de pinguim, atualmente considerada vulnerável, dentre outros motivos pelos derramamentos de óleo na costa africana, apesar dos cuidados prestados pela Fundação Sul-Africana de Conservação de Aves Litorâneas.
Vivem na costa sudoeste de África, contando com cerca de 60 centímetros de comprimento, e pesando entre 2,4 e 3,6 kg. http://pt.wikipedia.org/wiki/Pinguim-africano


Fomos em uma colônia de pinguins permanente. Eles estavam nas dunas de areia e faziam seus ninhos com buracos na areia, tinham muitos trocando as penas.
John explicou que onde tem pinguins e leões marinhos, não tem tem tubarões (vice e versa), pois são alimentos do tubarão.

No caminho vimos um dayse (um tipo de ratão, uma marmota).


Almoçamos num restaurante popular (comida boa e servido a francesa).
Foi servido salada, o prato principal tinha lula, peixe, marisco, batata, arroz amarelo e algumas verduras e sobremesa.

Após o almoço, fomos visitar o Cabo da Boa Esperança. Quando fizemos o passeio de barco, vimos uma estrada na encosta que achamos que era o caminho, mas o John disse que aquela estrada estava fechada e que e considerada a estrada mais bonita do mundo e que um filme do 007 teve cenas filmadas ali. Então fomos por outro caminho.


O cabo da boa esperança hoje em dia é uma reserva e tem animais soltos como babuínos, zebras, gazelas, cruzamos com diversos deles e vimos também baleias.
Subimos ao farol, ele esta a mais de 240 metros acima do nível do mar. Para subir fomos de funicular.


La chegando tivemos uma vista, realmente muito bonito, estávamos a 34° de latitude sul, bem mais ao sul que a nossa Floripa que fica a 27° 35' 49" S. Só para ter uma ideia, Buenos Aires fia na latitude 34° sul.


Voltamos para Cape Town e nos hospedamos no Fountains Hotel. http://www.fountainshotelcapetown.com/


13/10/2008 - Cape Town

Estava previsto a visita à Montanha da Mesa (Mount table), mas esta estava encoberta. O John sugeriu que fossemos antes no jardim botânico. O Company's Garden é um parque localizado no centro da cidade do cabo. O parque foi criado nos anos de 1650. Ficamos cerca de uma hora. Muito bonito, vimos muitas variedade de flores entre elas muitas Proteas. No verão são oferecidos concertos de musica e as pessoas de Cidade do cabo fazem piquenique.
http://www.capetown.gov.za/en/parks/facilities/Pages/CapeTownGardens.aspx


Após fizemos um city-tour, eu diria um mini city-tour, visitamos o Castelo da Boa esperança, a primeira rua (avenida) e o jardim. O Castelo da Boa esperança foi contruido pela Companhia Holandesa das Índias Orientais entre 1666 e 1679. O castelo é a contrução colonial mais antiga da África do sul. http://en.wikipedia.org/wiki/Castle_of_Good_Hope


Telefonamos para o seguro de saúde, pois nossa colega estava literalmente com dor de cotovelo, a que caiu na noite anterior pois o braço dela estava doendo.

Depois fomos visitar a Moutain Table, o John não botava fé, pois quando o tempo não está bom o passeio de bondinho é fechado. Mas apesar de encoberto, o passeio estava aberto e o bondinho funcionando. Era um bondinho grande, redondo. Quando começou a subir achei que estava mau posicionado para ver a vista, mas o chão do bondinho era rotativo e todos podiam apreciar a vista. http://tablemountain.net/
Lá em cima, estava encoberto literalmente estávamos nas nuvens, estava muito frio e úmido, para não dizer molhado. Recebemos o telefonema de retorno do seguro. Alguns foram tomar um café e outros fizeram a trilha na montanha da mesa. Nas poucas vezes que a nuvem abriu vimos a Robin island. Após um café, descemos.


Almoçamos no porto em um restaurante cujo o nome era “Tasca”, servia comidas típiacas portuguesas. Eu almocei uma prato chamado Trinchado (carne picada ensopada com batatas em rodela ao redor) e a Ida espetado (um chicho em espeto).

De tarde tivemos tempo livre e visitamos o oceanário de Cape Town
http://www.aquarium.co.za/


De noite o John nos levou para jantar no restaurante Brio 1893. Um restaurante sofisticado, que era um banco, o ABC Building e o prédio foi restaurado  antigamente. Um prédio bonito com o pé direito bem alto. No local do cofre foi feito a adega. Primeiro foi servido um espumante Villiela Tradition 12,5%, em seguida um vinho branco Fairview Viognier 2007 14,5%, então veio o primeiro prato, um prato com dois sashimis, dois niguiris e duas ostras. Então foi servido vinho tinto Ken forrester Shiraz/Grenache 2004 14,5 e a carne que era filet mignon e por fim a sobremesa de creme brulee, sorvete e fios de açúcar queimado, servido com vinho late harvest Nazendal 2001.
http://www.brio1893.com


Demos umas lembranças para o John e agradecemos o bom atendimento que ele nos prestou. Aqui terminava nossa viagem na região de Cape Town e no dia seguinte iríamos para o parque do Kapama onde fizemos dois dias de safári fotográfico.


Atualização:  Contato do nosso guia na África do Sul, Isako John Shivuri, celular +27 78 796 8276, +27 72 801 2270, office  +27 21 823 8520, info@hellobrazil.co.za, http://www.hellobrazil.co.za

Veja também:
Viagem à África do Sul (Parte 1)
Viagem à África do Sul (Parte 2)
Viagem à África do Sul (Parte 3)
Viagem à África do Sul (parte 5)