domingo, 23 de outubro de 2011

Viagem para Portugal (parte 2, Porto e Vila Nova de Gaia)

18/05/2006 – Porto e Vila Nova de Gaia

Cidade do Porto e Vila Nova de Gaia

Iniciamos o dia visitando a Livraria Lello e Irmão, com seu teto trabalhado, o grande vitral que ostenta o monograma e a divisa da livraria Decus in Labore e a escadaria de grandes dimensões de acesso ao primeiro piso, as marcas mais significativas da livraria. http://pt.wikipedia.org/wiki/Livraria_Lello_e_Irmão

Fachada, escadaria e vitral da Livraria Lello e Irmão

Seguimos o passeio, conhecendo a Igreja do Carmo geminada com a Igreja das Carmelitas, que constituem um volume único, embora seja possível diferenciar cada uma das igrejas. Também avistamos a Igreja e Torre dos Clérigos. http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_do_Carmo_(Porto)


Produtor de vinho do porto Adriano Ramo Pinto e sua adega

Após, visitamos o museu da Vinícola Adriano Ramos Pinto, seguida de degustação da sua linha de vinhos do Porto. Fundada em 1880, com o objetivo primeiro de exportar para o mercado brasileiro, no início do século XX, sendo que rapidamente tornou-se responsável pela metade do vinho exportado para a América do Sul. http://www.ramospinto.pt/csorigem_port.htm

Descobrimos que Adriano Ramos Pinto encomendou junto ao escultor francês Eugène Thievier, uma fonte com sete metros de altura, em mármore de Carrara, tendo presenteado a cidade do Rio de Janeiro, a qual foi inaugurada em 24/01/1906, no jardim da Glória (perto de onde se encontra, hoje, a Estação do Metrô).
http://rio-curioso.blogspot.com/2007/10/fonte-adriano-ramos-pinto.html

Seguindo a visita, conhecemos a adega, tivemos a explicação de que o vinho do Porto é um vinho natural e fortificado, produzido exclusivamente a partir de uvas provenientes da região demarcada do Douro, no norte de Portugal, cerca de 100 km a leste do Porto. Régua e Pinhão são os principais centros de produção.

Apesar de produzida com uvas do Douro e armazenada nas caves de Vila Nova de Gaia, esta bebida alcoólica ficou conhecida como "Vinho do Porto" a partir da segunda metade do século XVII por ser exportada para todo o mundo a partir desta cidade.

Segundo explicaram, o Vinho do Porto foi "descoberto" pelos produtores da Inglaterra que no século XVII adicionaram brandy ao vinho da região do Douro para evitar que ele avinagrasse. 

O que torna o vinho do Porto diferente dos demais vinhos, é o fato de a fermentação do vinho não ser completa, sendo parada na fase inicial (dois ou três dias depois do início da fermentação), através da adição de uma aguardente vínica neutra (com cerca de 77º de álcool). Assim, o vinho do Porto é um vinho naturalmente doce (pois o açúcar natural das uvas não se transforma completamente em álcool) e mais alcoólico (entre 19 e 22º de álcool).

O vinho do Porto que envelhece até três anos é considerado standard. Todos os outros vinhos que fiquem mais tempo a envelhecer na madeira pertencem a categorias especiais, quer porque as uvas que lhe deram origem são de melhor qualidade, quer por terem sido produzidos num ano excepcionalmente bom em termos atmosféricos. Assim, entre as categorias especiais, é comum encontrar os Reserva, os LBV (Late Bottled Vintage), os Tawnies envelhecidos e os Vintage e, menos regularmente, os colheita.


Na degustação provamos Ramos Pinto Porto Dry White, Lágrima,
Ramos Pinto Porto Tawny, Ramos Pinto Porto Tawny Reserva, Ramos Pinto Porto 10 anos Quinta de Evamoira, Ramos Pinto Porto 20 anos Quinta do Bom Retiro e Ramos Pinto 1997 (engarrafado em 2001).

    Degradê dos vinhos do degustados no Adriano Ramos Pinto

    A próxima visita foi na vinícola Graham's.
    Lá degustamos o Graham's 20 years tawny, Graham's six grapes, Graham's late bottled vintage port e o Graham's fine white port. http://www.grahams-port.com/

    :

    Depois visitamos Palácio da Bolsa. O Palácio da Bolsa ou Palácio da Associação Comercial do Porto começou a ser construído em outubro de 1842, em virtude do encerramento da Casa da Bolsa do Comércio, o que obrigou temporariamente os comerciantes portuenses a discutirem os seus negócios na Rua dos Ingleses, em pleno ar livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/Palácio_da_Bolsa

    Palácio da Bolsa, Salão Árabe

    De noite passamos pelo Café Magestic. Jantamos numa lanchonete próxima e pedimos uma "Francesinha", que pode ter linguiça, salsicha fresca, fiambre, carnes frias e bife de carne de vaca, pode vir coberta com queijo (derretido), normalmente, vem acompanhada de um molho de ovos estrelados (em cima do sanduíche) e batatas fritas.

    Café Magestic (Porto)


    Veja também:
    Viagem para Portugal (parte 1, Alentejo)
    Viagem para Portugal (parte 3, Minho e Douro)
    Bordeaux