sábado, 21 de maio de 2011

O caminho do apreciador de vinho

Ao longo da nossa história com o vinho percebemos que o caminho do apreciador de vinho é algo como:

  1. Sabe que existe vinho tinto, branco e rosado. Não conhece nenhuma regra e bebe aquele que lhe dá prazer;
  2. Descobre que existe vinho doce, suave e seco. Confunde vinho seco com vinho áspero ou ácido;
  3. Aprende que “bom bebedor de vinho só toma vinho seco”. Vinho branco doce ou suave é “vinho de mulher”. Vinho rosado “nem morto”;
  4. Descobre que existem diversos tipos de uva, algumas viníferas outras não;
  5. Aprende o que é “varietal”. “Vinho bom é cabernet sauvignon”. Vinhos sem indicação da uva ou com uvas misturadas é vinho inferior;
  6. Começa a se preocupar com o ano da safra. Acha que quanto mais velho melhor;
  7. Descobre o “envelhecido em barris de carvalho”. Quanto mais gosto de madeira, melhor o vinho;
  8. Começa a apreciar os rituais. Só bebe vinho em taça. Vinho branco se serve gelado. Vinho tinto à temperatura ambiente mesmo que seja 28º C. Não se deve agitar o champanhe antes de abrir como na formula 1. Não é bonito lançar longe a rolha;
  9. Começa a descobrir os vinhos estrangeiros. Aprecia os chilenos e tem prevenção com os argentinos;
  10. Começa a apreciar outros aspectos. Aromas, cor etc.. Aprende o que é corpo, aspereza, leveza, peso, acidez, taninos etc.. Aprende que vinhos brancos devem se bebidos jovens e que os tintos podem envelhecer;
  11. Começa a combinar vinhos e comidas. Carne vermelha com vinho tinto e carne branca com vinho branco;
  12. Começa a prestar atenção nos produtores;
  13. Descobre que vinhos muito nobres são feitos com tipos de uvas misturadas;
  14. Perde a prevenção com os argentinos e quer descobrir os vinhos do mundo todo. Alguns nesta fase radicalizam: “só tomo vinho francês”;
  15. Depois do susto da imensa variedade de vinhos do mundo descobre:
    • existem vinhos rosados muito considerados pelos conhecedores;
    • existem vinhos doces como, porto, sauterne, vin santo, passito, etc., de altíssima qualidade e com preços nas alturas;
    • existem vinhos brancos que devem envelhecer e tintos para serem bebidos bem jovens;
    • existem vinhos brancos encorpados e tintos leves. Vinhos tintos podem ser servidos refrescados e alguns tipos quase gelados. As combinações com comida são as mais variadas;
  16. Descobre que as palavras “sempre” e “nunca” não existem no mundo dos vinhos e que as regras são só orientativas: podem e devem ser quebradas, então;
  17. Relaxa, continua a experimentar e passa a beber aqueles que lhe dão prazer.