sábado, 28 de julho de 2012

D.O.s da Espanha

A Espanha, detentora da maior área cultivada em vinhedos no planeta é, sem dúvida, um país de grande tradição vinícola e possui inúmeros vinhos de alta qualidade. Desconhecê-los é ignorar uma importante parte do maravilhoso mundo do vinho.

Vinhedos em Ribeira del Duero

Existem hoje na Espanha 68 regiões D.O.s (Denominación de Origen), e boa parte delas têm seus vinhos consumidos localmente ou exportados em pequenas quantidades. Nos últimos anos, tem sido crescente o interesse mundial pelos vinhos espanhóis, levando ao aumento das exportações, mas, ainda assim, são poucos os melhores vinhos disponíveis no mercado internacional e especialmente no Brasil.

Aqui são apresentadas D.O.s agrupadas nas regiões Nordeste, Noroeste, Centro, Sul, Ilhas Canárias e Ilhas Baleares, com seus principais vinhos e uvas utilizadas na sua elaboração.
Jerez DO, Tio Pepe

Os vinhos espanhóis estão classificados em três níveis de qualidade, a saber:
  1. DO de PagoDenominación de Pago: quintas individuais de reputação internacional.
  2. DOCa/DOQDenominación de Origen Calificada (Denominació d'Origen Qualificada, em catalão): regiões vinícolas de alta qualidade.
  3. DODenominación de Origen: congrega a grande maioria das regiões de vinhos de qualidade.
  4. VCPRDVino de Calidad Producido en Región Determinada: regulação menos restrita com origem geográfica específica.
Sem o estatuto de VQPRD existem ainda os Vinos de la Tierra (vinhos regionais) e os Vinos de Mesa (vinhos de mesa).

DOCa Rioja, Viña Pomal, Crianza

Outras categorias
Existem categorias baseadas no tempo de envelhecimento dos vinhos que foram utilizadas inicialmente pela região de Rioja, e são adotadas na maioria das D.O.s, a saber:
  • Vino joven ou Vino Sin Crianza ou Vino del Año - Vinho jovem, um pouco envelhecido, mas não o suficiente para ser considerado "crianza".
  • Vino de Crianza - Vinho (tinto, branco ou rosé) de melhor qualidade, envelhecido pelo tempo mínimo de 2 anos, dos quais pelo menos 12 meses em barril de carvalho para os vinhos tintos e 6 meses em barril de carvalho para os brancos e rosados.
  • Vino Reserva - Vinho superior feito nas melhores safras. Os tintos devem ser envelhecidos pelo tempo mínimo de 3 anos, dos quais pelo menos 1 ano em barril de carvalho, enquanto os brancos e rosés podem envelhecer apenas 2 anos, dos quais 6 meses em carvalho.
  • Vino Gran Reserva - Vinho superior feito nas safras excepcionais. Os tintos devem envelhecer pelo tempo mínimo de 5 anos, dos quais pelo menos 2 anos em barril de carvalho. Os vinhos brancos e rosés podem envelhecer apenas 4 anos, dos quais 6 meses em carvalho.
Existem ainda outras categorias, tais como:
  • Vino de aguja - vinho branco frisante
  • Vino de licor (generoso) - vinho doce, de sobremesa, fortificado (que sofre adição de aguardente vínica)
  • Vino dulce natural - vinho doce não fortificado também ideal para a sobremesa
  • Vino gasificado - vinho tranqüilo (não espumante) elaborado mediante a adição de gás (CO2)


Para legenda consulte http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Vinos_DO_de_Espa%C3%B1a.png?uselang=es

Fontes: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Vinos_DO_de_Espa%C3%B1a.png?uselang=es
http://pt.wikipedia.org/wiki/Denomina%C3%A7%C3%A3o_de_Origem#Espanha
Saul Galvão – Tintos e Brancos; Hugh Johnson – Guia de Vinhos 99; ABS artigos – Jerez o vinho da maturidade